quinta-feira, 29 de setembro de 2022

FRAGMENTOS MEUS

                                                                      (victoria stoyanova )

                                                                                                                                                    

Adormeço, em mim, a ventania,
quando a posso controlar.
Coloco a brisa nos pés e tento,
com riso e canto,
caminhar
São momentos de equilíbrio
nos quais, com os olhos fechados, 
eu me entrego às calmas águas
da fonte que me alimenta
e que, na luz de sua crença
desconhece, por completo, 
 efeitos de tempestades


Mas quando os dias me arrastam
sem que tenha onde segurar,
ignoro a suave brisa
e me apego à ventania
que, mesmo por ironia,
escolhe os passos da dança
que então eu devo abraçar

É quando os fios da vida
no escuro de seus mistérios
tenho que desenrolar

Marilene


domingo, 25 de setembro de 2022

ESTRADAS DO MAR

                                                                         (zachia middlechild)


                                                                            

Diziam que o mar não possuía estradas...

Ficávamos ali, observando o movimento das águas
e alimentando sonhos.
Caminhávamos pelos atalhos que desenhávamos
para alcançar maiores horizontes.
Cobríamo-nos com o seu corpo
rindo dos incrédulos e das
chamadas impossibilidades

E um dia, sem mesmo saber como,
atracamos em portos diferentes,
seguros e tranquilos,
onde a maré nunca subia
com a magia assustadora
que gostávamos de abraçar

Tudo daria para voltar...
Na areia, pisoteiam hoje os nossos sonhos
que pareciam tão delineados e eternos

Quanta ingenuidade!
As mesmas estradas que criamos
formaram os labirintos
que nos separaram

                                                                         Marilene


terça-feira, 20 de setembro de 2022

NO ESCURO DA NOITE

                                                                         (Stephanie Clair)


                          Os chamados diferentes percebem a igualdade

                    no escuro da noite

                  quando os sonhos os

                  abraçam sem distinção,

                   entregando-lhes a chave do universo

                  Seus olhos fechados

                dispensam visões,

                  seus ouvidos adormecidos

          não são

                    por palavras de desconforto

             atingidos, pois

                os corpos em descanso

               ignoram qualquer comparação

                Os diferentes são igualados

             no escuro da noite,

             que dispensa, para isso,

          qualquer lei.

                        São irmanados no amor sincero

                 de quem lhes vela o sono


               Colocam flores  nas janelas

                ainda que não possuam mãos,

                sentem a melodia que lhes

       veste a alma

                 ainda que lhes falte a audição,

                e suas mentes, então abertas,

                  entregam-se ao voo da liberdade

        Não há o que discutir

        Não há porque sofrer

            Não há porque chorar ...

               Tudo está distante no escuro da noite,

         no mundo dos sonhos,

           no encontro das almas

       E aquelas vozes, lá fora,

           nubladas pela intolerância,

       pela insensibilidade,

        por uma insana maldade,

          afastam-se do que lhes poderia

         abrir os  labirintos

          que encarceram seus pensamentos,

a luz ,

              aquela que pousa no escuro da noite

         para os chamados diferentes,

e os envolve

      em um abraço de paz



       Marilene