terça-feira, 19 de janeiro de 2021

DESPERTAR

                                                                    ( Nik Helbig)


                                       
                                                    Quando se radiografa
                                                    com riqueza
                                                    o relâmpago do olhar,
                                                    quando cessam
                                                    os murmúrios
                                                    e os lábios acordam
                                                    os sorrisos,
                                                    a coragem abraça,
                                                    com ternura,
                                                    as preciosas asas
                                                    dos sonhos
 

                                                                           Marilene


 

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

CASTIGO POR UMA ILUSÃO

                                                                           (Ebru Sidar )



 
                               Sabias...
                                
                               Meu leito abrigava sonhos
                               mas a alma abraçava espinhos.
                               Meu corpo se abria em flor
                               mas o meu ser,
                               em dor
 
                              Sabias...
 
                              E mesmo assim viestes
                              trazendo sorrisos,
                              fazendo promessas,
                              com  luzidia esperança
 
                              Sabias...

                              Nada escondi
                              e um completo testemunho
                              sobre minha natureza,
                              confessei
 
                              Sabias...
 
                              Eu era noite que não esperava o dia
                              êxtase para horas que se perderiam
                              no alvorecer,
                              caminho sem continuidade e
                              correspondência que não aprendeu
                              a dançar
                              até o fim da canção
 
                             Sabias...
 
                             E como animal ferido
                             hoje palpita de frio
                             teu coração



                                                         Marilene



domingo, 10 de janeiro de 2021

REFLEXÕES DE ANIVERSÁRIO





                                       
 Já fui só noite
 e já fui só dia,
   mas a vida me fez misturar 
as horas e as estações,
sem que a nenhuma me prendesse

Já fui inteira
e já fui pedaço
em momentos esparsos
que ficaram na memória.
Na maioria deles, bem sei, 
fui apenas ínfima parte
de um todo
que vai além,
muito além de mim.

O riso de algumas horas
nelas se perdeu
e a angústia de outras delas
também se foi .
Não me pertence a luz
ou o nublado de instantes
vividos, sonhados,
compartilhados,
que em mim não fizeram morada.

Bordei teias
que como a areia
ouviram a música das águas
e por elas foram levadas,
impedindo que me acomodasse
em qualquer traçado
ou me perdesse no balanço
da rede ilusória do sonho,
abraçando imaginária e eterna varanda
frente ao mar

E nesse caminho
de alternância entre silêncio e burburinho
conduzi meus passos
por mais um ano.
Alguns desenhos não justificaram tela
e amassados foram ao lixo
lançados,
levando consigo lembranças
do que não foi, não existiu,
e não justificou os traços da caneta
no diário da vida

Meu presente abraça saudades
e contempla anseios ,
mesmo que sem lúcida e clara definição.
A forma tresloucada dessa mistura
faz com que ignore os relógios
   do corpo, da mente e do coração 

Voo, agora, para dentro
do novo ciclo que me é oferecido 

Bato de leve as asas
para que a harmonia
dos movimentos me vista,
tão somente,
de beleza e de esperança,
pois ainda não abdiquei dos sonhos
nem afastei meu olhar
dos horizontes 
(talvez do espelho)

E por não mais fazer a contagem dos anos
(colocada , hoje, em segundo plano)
faço um brinde à vida!

Tim! Tim!


                                                                                 Marilene
                                                                                (10/01/2015)